27/08/2021 às 08h53min - Atualizada em 27/08/2021 às 08h53min

Mãe deixa marido matar filhas em ‘sacrifício’ por nova gravidez

As vítimas teriam sido mortas como "exigência" feita por "entidade"

PLENO NEWS

Uma mulher de 31 anos permitiu que a filha, de 10, fosse assassinada pelo seu atual companheiro em uma espécie de “sacrifício” para que a gravidez dela desse certo. O caso aconteceu em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

O corpo de Ana Lívia foi encontrado nesta terça-feira (26). Estava enrolado na capa de um colchão, embaixo da cama, em um barracão no bairro Perobas. Os policiais logo descobriram que o imóvel havia sido alugado pela mãe e pelo padrasto da vítima, que fugiram do local.

De acordo com o depoimento do homem, entidades exigiram o “sacrifício” de Ana Lívia para que a gravidez da companheira, que estava no sexto mês de gestação, desse certo.

A polícia descobriu também que a outra filha da dona de casa, de apenas 4 anos, foi morta há seis meses, com a permissão da mãe, pelo mesmo motivo. O corpo da menina ainda não foi localizado.

– A equipe conseguiu, através de um papel, identificar o homem e o encontramos. Na primeira abordagem, ele demonstrou bastante nervosismo. Na delegacia, após contradições, inicialmente ele confessou a ocultação do corpo. Depois ele acabou admitindo que tinha matado a Ana. Ele alegou que recebe algumas entidades espirituais e que elas, como forma de penitência pela gravidez, haviam exigido, como forma de sacrifício, a morte da criança. Depois ele disse que foi uma explosão emocional. Mãe e filha teriam discutido, e a menina empurrou a mãe – explicou o delegado Anderson Resende Kopke.

O corpo de Ana Lívia tinha sinais de espancamento, sangramento na região genital (em função das agressões), queimaduras de cigarro, traumatismo intracraniano e diversas fraturas.

Enquanto o padrasto da vítima prestava depoimento, a mulher recebia atendimento em um hospital de BH, por causa da gravidez.

Levada para a delegacia para depor, a mulher inicialmente se negou a cooperar. Em seguida, após permissão do marido, ela relatou o que havia acontecido, confirmado a discussão com a filha e o espancamento do qual a menina foi vítima. Enquanto a filha agonizava, a mãe foi esquentar o jantar para o companheiro.

MORTE DA FILHA CAÇULA

Ainda no depoimento, a mulher admitiu que a filha caçula, Stefany, também foi vítima do mesmo ritual religioso. O crime teria acontecido entre o final de fevereiro e o início de março, em Divinópolis, no centro-oeste de Minas.

– A mãe alegou que a Stefany teria sido espancada e morta pelo atual companheiro também respondendo à entidade espiritual. Nesse época, ela [a mulher] estava grávida, perdeu o feto, e a entidade teria exigido como penitência para uma nova gestação vitoriosa que a Stefany fosse eliminada – detalhou o delegado.

Já com a menina morta, o casal se deslocou para a Região Metropolitana de BH, para se desfazer do corpo. Em seguida, foi passear em Porto Seguro, na Bahia, com Ana Lívia, que havia testemunhado a morte da irmã. O homem e a mulher chegaram a tirar fotos na praia.

– O homem é extremamente frio, sem arrependimento. [Para] A mãe ainda não caiu a ficha [de] que participou dessas torturas, desses maus-tratos. Ela não se dá conta [de] que o companheiro é um ser humano, e não uma entidade espiritual. Ela não queria a morte das filhas, mas ela aceita – finalizou Kopke.

Os dois irão responder por homicídio, tortura e ocultação de cadáver. 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://ofatoagora.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp